Uma das técnicas que potencializam o resultado estético é a betaterapia, um tratamento utilizado para a prevenção de quelóides e lesões na pele, decorrentes do crescimento excessivo de tecido fibroso em recuperação. As lesões costumam causar desconforto, principalmente dor.

A betaterapia tem os mesmos princípios da radioterapia e resulta em melhor cicatrização, evitando os quelóides.

Os quelóides aparecem, normalmente, em pessoas com a pele pigmentada (negra e morena), contudo podem acontecer em todas as raças após cirurgias, queimaduras e outras lesões, em áreas como o lóbulo de orelha e abdômen, por exemplo.

Caso surja um quelóide na pele, é necessária a retirada da cicatriz com uma cirurgia e deve-se iniciar, imediatamente, um tratamento de betaterapia.

A betaterapia é indolor e simples, não traz risco algum ao paciente e nem oferece contra-indicações quanto a sua aplicação nas diversas regiões do corpo. O procedimento é totalmente seguro e a penetração da radiação é limitada à pele. É frequentemente utilizada no tratamento de crianças submetidas a cirurgias plásticas por causa de queimaduras.

A fim de garantir um bom resultado, o início da betaterapia precisa ser rápido, normalmente no dia seguinte ao da cirurgia plástica.