Para que um médico se torne um especialista na realização de cirurgias plásticas, ele deve percorrer um longo caminho, que exige tempo e dedicação aos estudos

Todo cirurgião plástico, obviamente, fez uma faculdade de Medicina, curso de tempo integral com várias atividades desde o primeiro ano de estudos e com duração média de seis anos.

Contudo, para o seu médico ser finalmente considerado um cirurgião plástico, ele precisa fazer residência durante mais cinco anos. Os dois primeiros anos conferem a ele o título de cirurgião geral. É neste período que o médico passa a ter intimidade com os procedimentos cirúrgicos gerais.

Para ser considerado cirurgião plástico, ele ainda precisa estudar mais três anos, fazendo residência em cirurgia plástica em uma das escolas credenciadas pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), único órgão oficial reconhecido pelo Conselho Regional de Medicina (CRM). Nesta fase, além de estudar e aprender técnicas específicas, ele é orientado por um associado-titular da sociedade. Até aqui foram 11 anos de investimento no conhecimento. O próximo passo é realizar um exame para ingressar na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Se aprovado, terá o título de especialista homologado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e será considerado membro associado da SBCP.

Existem vários graus para serem atingidos na Instituição. Para alcançar o mais alto deles, o de membro titular, o cirurgião precisará trabalhar mais dois anos na área, de preferência com algum cirurgião de renome, apresentar seu currículo e um trabalho científico. Estes serão avaliados por uma comissão designada pela Sociedade.

Há também aqueles que aprofundam ainda mais os estudos e optam por cursos de especialização em centros avançados no exterior. Todas essas práticas somam pontos ao currículo do profissional, aumentando consideravelmente seu conhecimento técnico.