Você já deve ter visto homens com grandes entradas (falhas na testa que se estendem para a área do cabelo), alguns apenas com cabelo na área lateral da cabeça, outros com uma ‘coroa’ sem cabelo na parte de trás da cabeça… saiba que é claro que todos adorariam corrigir essa ausência de cabelo, mas, para isso, é necessário ter uma região  doadora ampla e compatível com a área receptora.

No caso da calvície na coroa, ela pode ocorrer em uma área extensa, porém, como se localiza na parte de trás da cabeça, nem sempre é rapidamente notada. A ideia é reduzir a área calva para que a coroa não exista mais.

O recuo no cabelo começa durante a puberdade e, as entradas também podem surgir nesse período. Esse não é um indicativo de que a calvície se manifestará, porque até os 30 anos a progressão da perda pode ser considerada normal. Tentar manter o padrão que destoa de sua idade pode transformar o resultado e deixa-lo artificial.

Mais uma vez ressaltamos que, caso o paciente tenha apenas os fios doadores na lateral da cabeça, eles podem não ser suficientes para cobrir a extensão do topo + coroa. Nesse caso, o cirurgião precisa ser realista em relação aos resultados de um procedimento. Na maioria das situações, o transplante capilar pode ser um desafio recompensador para o profissional e para o paciente.