A aparência do abdômen é uma das principais causas de insatisfação com o próprio corpo. No caso de pacientes que passaram por processos de grande emagrecimento, esse problema pode ser ainda mais acentuado. Depois de perder um volume considerável de gordura, é normal que a pele apresente um enorme grau de flacidez, formando o que chamamos de “barriga de avental”.  A abdominoplastia em âncora apresenta uma solução para modelar o contorno corporal e acabar com esse incômodo.

Quer saber como essa cirurgia funciona e quando ela é indicada? Então, não deixe de ler o post! Vamos explicar em que situações esse procedimento é necessário e quais são os resultados que o paciente pode esperar!

A inconveniente “barriga de avental”

Quando uma pessoa passa por um processo de emagrecimento realmente significativo e perde um grande volume de gordura, ela precisa lidar com alguns vestígios da obesidade. Um deles é a flacidez. Afinal, a pele não consegue se retrair a ponto de garantir naturalmente o contorno de um corpo magro e forma dobras.

Por isso, é normal que esses pacientes tenham flacidez acentuada em várias regiões como os braços, coxas, seios e abdômen. O excesso de pele na barriga que chega a formar uma saliência, é chamado popularmente de “barriga de avental”.  Além de aparecer quando a pessoa usa roupas mais próximas ao corpo, esse problema causa incômodos que vão além da questão estética.

Muitos não sabem, mas as sobras de pele são responsáveis por grandes transtornos. Especialmente nos meses quentes, o suor se acumula nas dobras. Por essa, razão, além do incômodo, o paciente pode ficar com essa região assada e dolorida. A área lesionada também é uma porta de entrada para bactérias. Portanto, eliminar esse desconforto é também uma questão de saúde.

A indicação da abdominoplastia em âncora

A fim de solucionar esse problema, os médicos indicam a abdominoplastia em âncora, que também é chamada de dermolipectomia em âncora. Trata-se de uma cirurgia que remove o excesso de pele, eliminando a flacidez e deixando o abdômen liso e firme.

Porém, por que essas pessoas não podem realizar uma abdominoplastia clássica?

A razão para isso é a flacidez exagerada. Quando a sobra de pele na região do abdômen é muito grande, o corte realizado na abdominoplastia clássica não é suficiente para removê-la completamente. Por isso, pacientes que perderam realmente muito peso com métodos tradicionais (dieta e exercícios) ou cirurgia bariátrica precisam de uma intervenção mais extensa.

Em alguns casos, a cirurgia também é recomendada para mulheres que ficaram com a barriga de avental após a gravidez. Essa situação não é tão comum, mas pode acontecer principalmente se o crescimento foi exagerado devido à gestação de gêmeos, pelo desenvolvimento de um bebê muito grande ou ainda excesso de líquido amniótico. Também é possível que a flacidez seja resultado de um ganho considerável de peso nesse período.

Como é feita a abdominoplastia em âncora

Esse tipo de cirurgia costuma durar entre 3 a 5 horas. As anestesias mais utilizadas são a geral ou a peridural com sedação. Dessa forma, nos dois casos o paciente dorme durante todo o procedimento e não tem consciência do que acontece à sua volta.

Quanto ao procedimento, a abdominoplastia em âncora é um pouco diferente da cirurgia clássica. Entenda as diferenças:

Abdominoplastia clássica

No método tradicional, o médico faz um corte rente à região pubiana. O formato é levemente semicircular, parecido com a parte superior de uma peça íntima feminina, como um biquíni. Porém, ele fica abaixo dessa linha.

Depois, o cirurgião faz um novo corte que vai da extremidade da primeira incisão, sobe (geralmente acima do umbigo) também de forma semicircular e desce até chegar à outra ponta da incisão. Então, toda a pele delimitada por esses cortes é retirada.

Finalmente, o médico puxa a pele da região superior do abdômen para baixo e a costura na região pubiana. Assim, a barriga fica completamente lisa.

Abdominoplastia em âncora

Na abdominoplastia em âncora, esse procedimento não é suficiente. Não basta retirar apenas o excesso de pele da parte inferior do abdômen (abaixo do umbigo). O médico precisa remover também a flacidez da lateral e medial.

Por essa razão, ele faz o corte pubiano e uma outra incisão vertical, que se estende até a região acima do umbigo. No entanto, o comprimento é variável e calculado sempre de acordo com as necessidades do paciente. Para isso, o médico segue um planejamento cirúrgico individualizado.

Cicatriz da abdominoplastia em âncora

A cicatriz desse tipo de abdominoplastia também é um pouco diferente da cirurgia clássica. Além da marca semicircular na região pubiana o paciente fica com outra vertical, devido à segunda incisão realizada. Ela realmente tem o formato de uma âncora.

Porém, a cicatriz pubiana fica geralmente coberta pelas roupas íntimas. Em grande parte das vezes, o médico consegue deixar a marca vertical abaixo da linha da cintura. Dessa forma, ela não fica evidente quando a pessoa usa uma calça, saia ou shorts normais.

Além disso, muitos dos pacientes que recebem a indicação para a abdominoplastia em âncora já têm uma outra cicatriz vertical do abdômen — a da cirurgia bariátrica. Portanto, o efeito estético será o mesmo.

Recuperação da abdominoplastia em âncora

Embora as técnicas de cirurgia plástica estejam em constante evolução, os resultados não dependem apenas da experiência do médico. É fundamental que o paciente esteja consciente de que precisa tomar uma série de cuidados no período pós-operatório.

Portanto, ele deverá permanecer em repouso durante o tempo estabelecido pelo médico. O retorno às atividades normais costuma acontecer dentro de um mês, porém é o cirurgião quem determina esse período. Nos primeiros 10 dias, será preciso andar com o tronco inclinado para não forçar os pontos e evitar sua abertura.

Além disso,será necessário usar uma cinta compressora para controlar o edema (inchaço) e realizar várias sessões de drenagem linfática.  Com todos esses cuidados, o paciente tem uma boa cicatrização. Depois da recuperação, o resultado é fantástico!

Abdominoplastia em âncora e emagrecimento

É importante lembrar que o objetivo de qualquer tipo de abdominoplastia não é tratar a obesidade. Portanto, ela não é indicada para emagrecimento. No entanto, caso o paciente já tenha perdido peso e queira aproveitar a cirurgia para eliminar pequenas quantidades de gordura localizada, é possível conciliar esse procedimento com a lipoaspiração.

Por isso, se você está pensando em passar por uma dessas intervenções para melhorar o contorno corporal, o primeiro passo é conversar com um cirurgião plástico experiente. Afinal, o profissional capacitado, certificado pela SBCP, tem todo o conhecimento necessário a fim de propor procedimentos possíveis para solucionar o seu caso e explicar de que forma eles atendem às suas expectativas.

Agora você já sabe como é feita a abdominoplastia em âncora e para quem ela é indicada. Gostou do post? Quer saber mais sobre intervenções para modelar o corpo? Então, siga nossa página no Facebook e acompanhe nossas publicações.