Por diversos momentos e em vários posts reforçamos a importância de se manter o equilíbrio das proporções do rosto do paciente ao realizar uma rinoplastia. Um cirurgião plástico com experiência nessa especialidade consegue indicar e esclarecer ao paciente quais são suas reais possibilidades. Mas a definição de altura e a largura de um nariz a ser operado não são exclusivamente de responsabilidade do médico. Você sabe por quê?

O objetivo desse post é elucidar um dos assuntos mais polêmicos e pouco debatidos na cirurgia plástica, que é a questão étnica. É ela quem define, mas não impede, a realização de determinados procedimentos. É imprescindível ao cirurgião plástico conhecer as características étnicas de cada paciente para chegar ao melhor resultado.

A perda de algumas características étnicas ao realizar um procedimento deve ser discutido amplamente antes da cirurgia plástica. Por exemplo: um paciente que possua a etnia negra, com todos os traços fortes e belos que cabem a eles, pode chegar ao consultório e solicitar uma redução das asas nasais que, geralmente, são mais abertas. O resultado pode ser delicado, sem descaracterizá-lo ou deixar uma aparência artificial.

A intenção do cirurgião plástico em todo procedimento deve ser a valorização da beleza, seja ela negra, caucasiana ou oriental.  As características individuais do paciente também devem ser levadas em consideração, ainda mais no Brasil, que temos uma mistura que gerou tanta beleza individual.