Embora a rinoplastia não seja mais considerada uma técnica invasiva, ela necessita de muita perícia do cirurgião plástico para que o resultado seja satisfatório. O uso de tampões nas narinas no pós-cirúrgico, por exemplo, ficou no passado, o que encorajou muitos pacientes a buscarem o procedimento.

Cada nariz tem um potencial estético e funcional que precisa ser respeitado pelo cirurgião plástico, por isso, é preciso analisar com tanto cuidado cada caso. A avaliação é essencial, além dos exames solicitados.

Esclarecidos esses pontos, queremos abordar um assunto que sempre chega aos consultórios de cirurgia plástica através dos pacientes: a redução das asas laterais. Essa é uma das maiores motivações dos pacientes que necessitam de uma redução das narinas e/ou da pele, reduzindo também a espessura da parede da asa ou a largura. Esse método exige perícia para não causar um estreitamento do orifício a ponto de interferir na respiração. O resultado, é claro, tende a fazer diferença na aparência do paciente que obtém a harmonia facial.