Algumas cirurgias estéticas ficam sempre em evidência: próteses de silicone, correção do nariz, abdominoplastia e lipoaspiração geralmente são muito conhecidas pelas pessoas em geral. Porém, alguns procedimentos são muito importantes, mesmo que não estejam sob os holofotes. Eles são essenciais para recuperar a autoestima de pacientes que sofreram com apelidos e até bullying devido às suas características. Por isso, neste post resolvemos explicar o que é otoplastia e em que situações ela é indicada.

Ficou curioso para saber o que é otoplastia e quando as pessoas precisam corrigir as orelhas? Então, continue a leitura do post e descubra a resposta!

O que é otoplastia?

Trata-se de uma cirurgia plástica feita para corrigir as orelhas do paciente.  Embora ela receba um nome único, existem tipos diferentes de otoplastia. Eles envolvem alterações no tamanho, formato, altura e até mesmo no posicionamento desses órgãos. Portanto, cada tipo de intervenção exige técnicas específicas com o objetivo de garantir a harmonia dos traços do paciente.

Quando a otoplastia é indicada?

Agora que você sabe o que é a otoplastia, talvez esteja se perguntando: mas por que existem tantos procedimentos diferentes para corrigir as orelhas? Afinal, a maioria das pessoas se lembra apenas de quem tem as famosas “orelhas de abano”, grandes e geralmente bem separadas da cabeça. Embora esse seja um problema que realmente chama a atenção, existem outras situações que exigem uma intervenção. Veja quais são as principais:

Microtia

Nem sempre os bebês têm a orelha bem formada e no tamanho adequado. A maioria das pessoas não imagina, mas 1 em cada 6.000 crianças nascem sem esse órgão ou com apenas algumas partes dele. Essa condição é mais comum em homens e asiáticos. Também é mais frequente que o problema seja unilateral, ou seja, uma orelha é normal e outra não. Nesses casos, o médico faz a reconstrução.

Macrotia

Já na macrotia, o paciente tem as orelhas grandes demais. Assim, é necessário planejar uma cirurgia para retirar cartilagem e pele, deixando-a de um tamanho proporcional. Também existe a possibilidade de alguns idosos perceberem que o lóbulo da orelha está aumentando de forma proporcional, deixando a região flácida. A otoplastia corrige também esses casos.

Assimetria

Muitos pacientes chegam ao consultório com orelhas assimétricas. Elas podem ter tamanhos desiguais ou, em outros casos, serem posicionadas em alturas diferentes. Então, a cirurgia é planejada de acordo com as necessidades de cada paciente. Em alguns casos, é possível apenas reduzir a orelha maior. Outras vezes, existe um trabalho mais delicado para reposicioná-la.

Orelhas Constritas

Os pacientes com orelhas constritas têm mais dobras e voltas nesse órgão que os de uma orelha normal. Por isso, elas ficam parecidas com a do personagem de animação infantil Shrek. Existem casos mais sérios e outros mais leves. Porém, para todos existe uma intervenção possível.

Deformações por traumas

Assim como existem pessoas que nasceram com as orelhas diferentes ou deformadas, outras passaram a ter problemas depois de traumas voluntários e involuntários. Podemos mencionar, por exemplo, acidentes que causam a perda desse órgão ou de parte dele. No entanto, existem outras situações provocadas, como o uso de brincos pesados e alargadores e a famosa orelha de lutador. As pancadas causam hematomas e inflamação nas cartilagens, que se tornam deformadas.

Qual é a importância da otoplastia?

As orelhas ocupam uma posição de destaque no corpo. Sua posição, bem nas laterais do rosto, faz com que qualquer irregularidade seja facilmente percebida. Por isso, quem enfrenta esse problema sabe muito bem o que é ser discriminado por essa característica. Ao longo da vida, crianças, adolescentes e até adultos recebem apelidos como Dumbo, orelhão, parabólica, duende, radar, satélite…

Nos casos de malformação, essa situação pode ser ainda mais grave. Uma orelha com partes faltando traz um enorme constrangimento, especialmente para as crianças. Elas ainda não têm maturidade para lidar com os olhares curiosos, com a discriminação e perguntas inconvenientes. Assim, essas pessoas passam a maior parte da vida se escondendo com cabelos longos que nunca podem ser presos para não causar procedimento. Por isso é tão importante que as pessoas saibam o que é otoplastia e de que forma essa cirurgia pode ajudá-las.

Também não podemos nos esquecer de que as orelhas têm um papel funcional. Elas são cobertas por pelos e glândulas que produzem a cera ou cerume. O papel deles é reter poeira, partículas e micro-organismos, evitando que entrem nos ouvidos. Portanto, a questão vai além da preocupação estética. Assim como a rinoplastia, a otoplastia é uma das cirurgias mais procuradas por quem sofre bullying.

Como acontece a otoplastia?

Depois de saber o que é otoplastia, muitas pessoas se perguntam como essa cirurgia é feita. Não existe um procedimento único, já que ela corrige tipos de problemas muito diferentes. Apesar de ser rápida, com duração média entre 45 e 90 minutos, recomenda-se que seja realizada em um ambiente hospitalar. Assim, o paciente pode contar com toda a estrutura e equipamentos necessários para um atendimento seguro.

O que acontece depois da otoplastia?

Nesse tipo de cirurgia, o paciente pode ter uma recuperação muito rápida. É comum a alta hospitalar acontecer no mesmo dia e portanto, na maioria das vezes não há necessidade de uma internação prolongada. Nos primeiros dias, é normal surgir um pouco de inchaço. Afinal, os tecidos remodelados ainda estarão em processo de cicatrização. No entanto, com o passar do tempo o incômodo desaparece e restam apenas os bons resultados do procedimento.

No período pós-operatório, é fundamental que o paciente tome alguns cuidados. Embora ele possa retomar suas atividades normais em poucos dias, é necessário usar uma faixa ao redor da cabeça e orelhas. A utilização deve acontecer o tempo inteiro nos 10 primeiros dias. Depois desse tempo, basta colocá-la para dormir até que a cirurgia complete dois meses.

Outros cuidados importantes são:

  • evitar sol, calor forte, friagem e vento durante 10 dias;
  • não abaixar a cabeça bruscamente;
  • limpar o local com muito cuidado, de acordo com a orientação do cirurgião;
  • não realizar grandes esforços ou carregar peso nos 10 primeiros dias após a cirurgia;
  • usar os medicamentos receitados pelo médico para evitar desconforto;
  • dormir de barriga para cima nos primeiros 45 dias e não deitar de lado nesse período.

Sempre destacamos que o cigarro é um inimigo da cicatrização. Ele dificulta a circulação sanguínea e principalmente reduz a quantidade de oxigênio que os tecidos do corpo recebem. Dessa forma, ele prejudica a cicatrização. Então, o ideal é parar de fumar antes e depois da cirurgia, conforme a orientação do médico.

Qual é o resultado final da otoplastia?

Essa não é uma pergunta que tem uma resposta única. Afinal, como os problemas são diferentes, o resultado também depende do que é possível fazer em cada caso. Por isso, converse abertamente com seu cirurgião, explique quais são as suas expectativas e ouça os esclarecimentos dele. Tenha a certeza de que um profissional qualificado deixará suas orelhas na melhor proporção possível, criando o máximo de harmonia entre esse órgão e outros traços físicos.

Portanto, mesmo que a cirurgia plástica tenha algumas limitações, ela ainda é a melhor alternativa para corrigir essas imperfeições. Os pacientes ficam muito satisfeitos com o resultado final, que é visto após dois meses. Eles sempre relatam que recuperaram a autoestima, que o sofrimento acaba e agora se sentem livres para mostrar o rosto sem traumas ou constrangimentos.

Se você entendeu o que é otoplastia mas gostaria de saber mais sobre o assunto, não perca tempo! Confira nosso Guia Completo aqui no blog e tire suas dúvidas!